C

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Quando MORRE um palhaço

Quando MORRE um palhaço...
Como seria o mundo sem palhaço? (...) Ele seria oco, igual ao eco da solidão. 

Foi-se embora o Zé, de tantos “Zés”. Foi-se embora o homem que com tantos nomes agregava dentro de si adjetivos que o componham e o formavam sua única e efervescente essência. Único, pelo seu modo de ser. Único por ter sobrevivido a tanta crueldade que a raça humana impõe ao mundo que vivemos. 

Aquele que foi da Fogueira, aquele que foi do Circo que agora era Repórter... Aquele que Zé, de tantos “Zés”, que nos fez rir e por último nos deixou triste. 

Um Zé, que como tantos Zés, aprendeu e viu desde cedo o que é a crueldade humana. Mas que mesmo assim, como todo e bom nordestino, não tirava o sorriso do rosto. Não deixava de fazer ninguém sorrir. Não negava um favor. Um Zé, que mesmo tendo sofrido nas mãos de todos nós, que mesmo sendo taxado de louco, de sórdido, ou de até coisa pior... Entendia que o mundo precisava de felicidade. 

Zé não era um santo; mas nem por isso deixou de ser grande. Provou, o que a gente já sabe: A vida é dura! Mas com toda a dureza da vida, com tudo de mal que ele recebeu... (Me falta palavras pra concluir) ... Fazer rir era a sua verdadeira identidade. 

E quando Ariano Suassuna, em sua peça mais festeja escreveu: 
Cumpriu sua sentença. Encontrou-se com o único mal irremediável, aquilo que é a marca do nosso estranho destino sobre a terra, aquele fato sem explicação que iguala tudo o que é vivo num só rebanho de condenados, porque tudo o que é vivo, morre.

ele dita as regras do Jogo. Ele explica a morte e consequentemente a vida... 
O Zé que tanto fez rir, agora não faz mais. O Zé que tanto falava, agora não fala mais. O Zé que tanto brincou, que tanto batalhou, que tanto sofreu... AGORA NÃO FAZ MAIS NADA. 
As cortinas do Palco se fecharam. As luzes do seu show já não se acendem mais. Acabou o Zé das Fogueiras. Acabou-se O ZÉ DO CIRCO; agora nossas flores, nossos agradecimentos, nossos textos emocionados e nossa “PIEDADE” não servem mais de nada. 

Zé do Circo foi VITIMA da crueldade Humana. Dum governo desgovernado. Uma vítima Social que ficará, para o bem ou para mal, guardado sempre na história, até que, no final das contas, como somos mortais, sua história caia no esquecimento. 

Homenagem Blog do André Fotos Texto: Anderson Lima 

Nenhum comentário: