Quadro Aniversariantes do dia

iure veiculos

iure veiculos

AM CARNES

AM CARNES

CLINICA TRAIRI

CLINICA TRAIRI

pedra cell

MARMORARIA

MARMORARIA

apolo

apolo

Drogaria Topázio

Drogaria Topázio

quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Há exatos 30 anos atrás o Rio Grande do Norte perdia, Carlos Alexandre, em um acidente entre as cidades de Tangará e São José do Campestre

A Exatamente 30 Anos atrás o Rio Grande do Norte perdia o seu maior ídolo musical, Carlos Alexandre. Nascido Pedro Soares Bezerra, o cantor e compositor, nasceu em Nova Cruz/RN em 01/06/1957, e faleceu em São José Campestre/RN em 30/01/1989. Perdeu a vida precocemente, no auge da carreira, em acidente automobilístico, quando voltava de um show na cidade de Pesqueira em Pernambuco.
No dia 29/01/1989 Um trágico acidente na RN 093 que liga Tangara a São do Campestre encerrava a carreira do Cantor Carlos Alexandre o mesmo vinha de vários Shows sendo o último realizado no domingo à noite no município de Pesqueira, estado de Pernambuco. 
A notícia da morte do cantor foi destaque no Jornal Tribuna do Norte . Confira a matéria:
“Início da tarde de 30 de janeiro de 1989, o cantor Carlos Alexandre, na companhia de três membros da sua equipe retornava para Natal após à realização de um show  na cidade de Pesqueira (PE). O Opala que os transportava era dirigido pelo motorista do cantor. Ao chegarem ao município de São José de Campestre (RN), o motorista alegando cansaço, estaciona o veículo e compra uma carteira de cigarros. Com pressa para  chegar em casa, o cantor Carlos Alexandre assume à direção do carro e parte em direção a capital potiguar. Sete quilômetros à frente, o inesperado: Carlos Alexandre perde o controle do Opala e colide com a cabeceira de uma ponte. O acidente é terrível. Sem utilizarem o cinto de segurança Carlos, seu baterista e o seu contrabaixista são arremessados para fora do veículo e falecem no local. O motorista, que no momento estava sentado no banco do carona, utilizava o cinto e consegue escapar com vida”.
Seu carro Modelo Opala estava sendo conduzido por seu motorista que, ao chegar no município de São José do Campestre o mesmo alegou cansaço e parou para comprar cigarros. Segundo relatos, o cantor Carlos Alexandre na eminência de chegar logo em sua residência em Natal Capital do estado assumiu o volante do veículo, a menos de 10 km em uma boeira ele perdeu o controle do seu carro vindo a capotar. 


Neste acidente morreu o cantor Carlos Alexandre, os irmãos Sérgio e Celson de Souza, músicos que o acompanhavam o cantor já o motorista que vinha no banco do passageiro e estava utilizando o cinto de segurança foi o único a sobreviver. 

O velório de Carlos Alexandre aconteceu no Ginásio de esportes da cidade da esperança ao Som das músicas Ciganinha e Feiticeira Milhares de fãs acompanharam o cortejo saindo da Cidade da esperança para o cemitério Bom pastor sendo até hoje considerado o maior cortejo fúnebre já realizado na capital do Estado. 

Fica aqui a Nossa Saudade e os Sinceros sentimentos A todos familiares e Fãs.
A TRAJETÓRIA DO ARTISTA:

Em 1975, ainda com o nome artístico de Pedrinho, teve sua primeira música gravada, Caixa vazia, por Ruan Carlos. Mais tarde foi para São Paulo acompanhado do radialista Carlos Alberto de Souza que o levou para a RGE.

Em 1978 lançou um compacto simples com as músicas Arma de vingança e Canção do paralítico. O disco vendeu mais de 100 mil cópias e abriu caminho para o lançamento do LP Feiticeira, que vendeu cerca de 250 mil cópias, sendo também lançado em Castelhano.

Aceitou a sugestão da esposa para adotar o nome artístico de Carlos Alexandre. Quando nasceu seu primeiro filho, ele o chamou de Carlos Alexandre Júnior, que, mais tarde, também abraçaria o caminho da música. Grande sucesso da canção brega, é autor de hits populares como Feiticeira, A Ciganinha e Índia, entre outras, que são músicas recorrentes na memória popular em todo o Brasil.

Ao longo de sua carreira, teve músicas gravadas, entre outros, por Genival Lacerda, Gilliard e Barros de Alencar. Teve mais de 200 músicas gravadas. Lançou 14 Lps e três compactos, além de participações em coletâneas. Ganhou 15 discos de ouro. Em 1997, o cantor e compositor Daniel Bueno incluiu em seu segundo CD o sucesso Se você fosse por mim, de Carlos Alexandre.

Em 1999, teve a composição Arma de vingança, de sua autoria com Carlos Alberto, gravada pelo cantor brega Falcão no CD 500 anos de chifre - O brega do brega. Em 2005, o artista foi homenageado com o projeto "Tributo a Carlos Alexandre- Vem ver como eu estou", idealizado pelo produtor cultural Marcelo Veni e que foi realizado, no teatro Alberto Maranhão, em Natal, contando a participação de cantores e bandas de Natal.

Segundo a pesquisadora Leide Câmara, conterrânea do compositor que mantém em seu acervo todos os discos de Carlos Alexandre, "Ele foi o grande cantor romântico potiguar que pesquisava o cotidiano em casas noturnas, observando a mulher e os costumes sociais, cantava o amor, a paixão mal resolvida mas, sobretudo o amor".

Discografia:
1978 Carlos Alexandre - Feiticeira
1978 Carlos Alexandre - Feiticeira Vol. 01
1979 Carlos Alexandre - A Ciganinha Vol. 02
1980 Carlos Alexandre - Já Troquei Por Outra Vol. 03
1981 Carlos Alexandre - Mulher De Muitos Vol. 04
1982 Carlos Alexandre - Revelação De Um Sonho Vol. 05
1983 Carlos Alexandre - Cartão Postal / Aqui Estou Vol. 06
1984 Carlos Alexandre - Vem Ver Como Eu Estou Vol. 07
1985 Carlos Alexandre - Final De Semana Vol. 08
1986 Carlos Alexandre - Gato E Sapato Vol. 09
1987 Carlos Alexandre - Nosso Quarto é Testemunha Vol. 10
1988 Carlos Alexandre - Sei Sei Vol. 11
1989 Carlos Alexandre - Eternamente Vol. 12
1993 Carlos Alexandre - Especial
1998 Carlos Alexandre - 20 Super Sucessos Vol. 1
1998 Carlos Alexandre - 20 Super Sucessos Vol. 2
2000 Carlos Alexandre - Coleção Pérolas
2001 Carlos Alexandre - Último Show

Fontes para compor a matéria: 
http://tenentelaurentinoagora.blogspot.com
montanhasrn.wordpress.com

Nenhum comentário:

Acessos do blog