A Maior Festa do Ano

A Maior Festa do Ano
Blog do André Fotos

3a1

iure veiculos

iure veiculos

AM CARNES

AM CARNES

CREART

CLINICA TRAIRI

CLINICA TRAIRI

pedra cell

MARMORARIA

MARMORARIA

apolo

apolo

CASA DO MATUTO

CASA DO MATUTO

Drogaria Topázio

Drogaria Topázio

sexta-feira, 29 de março de 2019

MPF: audiência debate solução para comércios irregulares em Pirangi do Sul e Pirambúzios

Primeiros encaminhamentos já foram anunciados. Autoridades e comerciantes se comprometeram a contribuir com o processo de regularização
Victor Mariz alertou da necessidade de regularização Foto: Ascom/PRRN

Foto da reunião mostrando integrantes do dispositivo da audiência sentados na mesa da presidência da câmara municipal de nisia floresta, com o procurador victor mariz no centro falando ao microfone

Construir uma solução conjunta para regularizar a situação dos comércios localizados na orla de Pirangi do Sul e Pirambúzios, levando em conta os interesses sociais e turísticos, mas respeitando também a legislação e o meio ambiente. Foi esse o objetivo – e o desafio – apresentado pelo procurador da República Victor Mariz aos participantes da audiência que o Ministério Público Federal (MPF) promoveu nessa quarta-feira (27), na Câmara Municipal de Nísia Floresta.

O evento contou com a participação de representantes do Ministério Público Estadual, da Secretaria do Patrimônio da União (SPU), do Instituto de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente (Idema/RN), dos poderes Executivo e Legislativo de Nísia Floresta, além de comerciantes e representantes da sociedade civil. “Entendemos que esse comércio é meio de subsistência de muitas famílias e fonte de renda pra cidade. Por isso temos de ter o engajamento de todos para encontrar soluções para a sua regularização”, destacou Victor Mariz.

Encaminhamentos - Ao final dos debates, ele já apontou as primeiras medidas a serem adotadas. O MPF irá oficiar a Prefeitura para que promova o cadastramento dos comerciantes da orla dessas praias e cobrar, dentro de um prazo de 40 dias, uma posição formal do município a respeito da retomada do chamado Projeto Orla e quanto ao interesse, ou não, de assumir a gestão das praias.

O procurador enfatizou que, para regularizar os comércios – nas áreas em que isso for possível –, certamente serão necessárias adequações. Manter a atual situação, porém, é inviável do ponto de vista legal e ambiental. “É bom lembrar que o meio ambiente sempre cobra a conta”, alertou o representante do MPF, destacando que problemas como a erosão das praias ou a contaminação das águas trarão prejuízos para o próprio comércio e sobretudo para as futuras gerações.

Interesse – O secretário adjunto de Meio Ambiente do município, Bismark Sátiro, declarou que é interesse da Prefeitura retomar o Projeto Orla e que deverá ser feito o cadastramento dos comerciantes. Em relação a assumir a gestão das praias, o assunto ainda será tratado pela atual administração. A coordenadora de Gerenciamento Costeiro do Idema, Rosa Pinheiro, reconheceu que o município precisa avaliar sua capacidade de assumir responsabilidades como a dos licenciamentos ambientes, que hoje cabem ao próprio Idema.

A promotora de Justiça Danielli Christine, por sua vez, defendeu que a Prefeitura assuma o papel de ordenador da orla. “O município tem de ser protagonista dessa solução que buscamos”. Já os vereadores da cidade elogiaram a atitude do MPF em buscar o entendimento, antes de judicializar a questão, e se colocaram à disposição para contribuir na construção de uma alternativa viável.

Riscos – Coordenador de Monitoramento Ambiental do Idema, Sérgio Luiz Macêdo apresentou uma análise de campo feita pelo órgão, detalhando os principais problemas decorrentes das construções de comércios e casas à beira mar de Pirambúzios e Pirangi do Sul. Uma das questões mais urgentes diz respeito a fossas e sumidouros construídos pelos barraqueiros. “A maré alta chega até esses comércios, então, todo esgoto lançado aí contamina de imediato o lençol freático, que está bem próximo à superfície”, explicou.

O superintendente da SPU no Rio Grande do Norte, Rômulo Silva, indicou que a possibilidade de regularização das barracas depende muito de se encontrar um projeto viável, que não prejudique o meio ambiente ou o livre acesso das pessoas às praias. Ele ponderou que, se assumir a gestão da orla, a Prefeitura também poderá desenvolver algumas formas de arrecadação e concluiu: “É fundamental que se chegue a um consenso e haja a regularização, caso contrário (do ponto de vista legal) todas as barracas teriam de ser desocupadas”.

Empregos – Os comerciantes afirmaram estar abertos a adotar medidas que regularizem suas barracas e pediram mais diálogo com os órgãos ambientais. Secretário de Turismo de Nísia Floresta, Alberto Alexandre resumiu: “Fiquei feliz em ver que o MPF não veio aqui pra falar em tirar todo mundo, mas sim em regularizar a situação. Temos naquela área uns 300 empregos que precisam ser mantidos e toda uma importância pro turismo de nossa cidade, por isso nos empenharemos em buscar essa regularização”.

No encerramento, o procurador Victor Mariz fez questão de citar uma frase do Papa Francisco: “Nós, seres humanos, não somos meros beneficiários das demais criaturas e do meio ambiente, mas guardiões deles". Além dessa audiência, novos debates deverão pôr em pauta a questão dos comércios irregulares em outras praias de Nísia Floresta, como Búzios, Tabatinga, Camurupim e Barreta. Uma vistoria realizada pelo Idema, em 2017, demonstrou que nenhum dos 41 estabelecimentos comerciais analisados – e localizados à beira mar de Nísia Floresta – possuíam licença ambiental e apenas nove estavam inscritos junto à SPU.

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal no Rio Grande do Norte
fone: (84) 3232-3901
prrn-ascom@mpf.mp.br
twitter.com/mpf_prrn

Nenhum comentário:

Acessos do blog